Portal do Governo Brasileiro
Página InicialInformações ao ConsumidorProdutos Analisados Luminárias de Teto e de Parede II
Produtos analisados
Relatório sobre análise de sistemas de descarga Sistemas de descarga
RELATÓRIO SOBRE A ANÁLISE EM ÁGUA SANITÁRIA Àgua sanitária
Fique Atento
  
.: Luminárias de Teto e de Parede II :.

Objetivo
Justificativa
Normas e Documentos de Referência
Laboratório Responsável pelos Ensaios
Reunião com a Entidade Representativa dos Fabricantes
Pesquisa de Mercado e Seleção das Marcas Analisadas
Ensaios Realizados
Informações das Marcas Analisadas
Resultado Geral
Conclusões
Conseqüências

Objetivo

A apresentação dos resultados obtidos nos ensaios realizados em luminárias é parte integrante dos trabalhos do Programa de Análise de Produtos desenvolvido pelo Inmetro e que tem por objetivos:

    1. prover mecanismos para que o Inmetro mantenha o consumidor brasileiro informado sobre a adequação dos produtos aos Regulamentos e às Normas Técnicas, contribuindo para que ele faça escolhas melhor fundamentadas, tornando-o mais consciente de seus direitos e responsabilidades;
    2. fornecer subsídios para a indústria nacional melhorar continuamente a qualidade de seus produtos;
    3. diferenciar os produtos disponíveis no mercado nacional em relação a sua qualidade, tornando a concorrência mais equalizada, e
    4. tornar o consumidor parte efetiva deste processo de melhoria da qualidade da indústria nacional.

Deve ser destacado que estes ensaios não se destinam a aprovar marcas ou modelos de produtos. O fato das amostras analisadas estarem ou não de acordo com as especificações contidas em uma norma/regulamento técnico, indica uma tendência do setor em termos de qualidade, em um determinado tempo. A partir dos resultados obtidos, são definidas, em articulação com as partes interessadas, as ações necessárias de apoio aos setores produtivos na busca da melhoria da qualidade dos produtos, tornando o produto nacional mais competitivo e contribuindo para que o consumidor tenha, a sua disposição no mercado, produtos adequados as suas necessidades.

Justificativa

Em julho de 1996, o Inmetro realizou ensaios em luminárias de teto, com lâmpadas fluorescentes. Esses ensaios foram realizados de acordo com as Normas ABNT-NBR 13298 – ano 1995, ABNT-NBR 13299 – ano 1995 e IEC 598-1 – ano 1992.

Nessa análise, observou-se uma concentração de não conformidades nos grupos de ensaios de detalhes construtivos, fiação interna e externa, comportamento na temperatura de trabalho e resistência ao calor, chama e ignição. Além disso, ficou evidenciado que a norma brasileira não estava em sintonia com a norma internacional, para o setor.

No momento da divulgação, o Inmetro assumiu um compromisso de articular-se com as partes interessadas, objetivando implementar ações de melhoria da qualidade dos produtos.

O Inmetro convocou reunião com fabricantes, laboratórios independentes, meio acadêmico, órgãos de defesa do consumidor e Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, tendo sido identificada a necessidade de revisão, como primeira ação, da Norma Brasileira, adequando-a às Normas Internacionais.

A nova norma, revisada, entrou em vigor em julho de 1999 e foi dado, pelo Inmetro, um prazo de 10 meses, a partir dessa data, para que os fabricantes se adaptassem aos requisitos.

Deve ser destacado que essa norma trata da montagem de luminárias e não da qualidade dos componentes utilizados no produto.

A análise atual em luminárias pretende verificar a conformidade dos fabricantes a nova norma, além de avaliar a contribuição do Programa de Análise de Produtos em fornecer subsídios para a indústria nacional melhorar continuamente a qualidade de seus produtos.

Normas e Documentos de Referência

Para a realização dos ensaios foi utilizado o seguinte documento:

  • NBR IEC 60598-1, de julho de 1999 – Luminárias – Parte 1: Requisitos gerais e ensaios

Laboratório Responsável pelos Ensaios

Os ensaios foram realizados pelo Laboratório de Avaliação Elétrica do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), laboratório com grande tradição em análises dessa natureza.

Reunião com a Entidade Representativa dos Fabricantes

O Programa de Análise de Produtos, para atingir seus objetivos, tem como diretriz consultar a Associação de Fabricantes, anteriormente ao início dos ensaios, quanto à metodologia a ser empregada na análise, buscando obter contribuições para elaboração da mesma.

Na articulação feita com a Associação Brasileira das Indústrias de Iluminação – ABILUX, alguns pontos foram destacados pela associação:

  1. Dentre os diversos tipos de luminárias existentes, a luminária fixa para lâmpada fluorescente tubular linear é a mais vendida no Brasil;
  2. Por questões econômicas, grande parte das luminárias à venda no mercado varejista, cerca de 98%, segundo a associação, é montada pelos lojistas. Apenas 2% das luminárias são montadas pelos fabricantes. De acordo com a ABILUX, essa situação põe em risco os consumidores, pois, segundo eles, os lojistas não têm conhecimento técnico suficiente para realizar a correta montagem de luminárias.

Diante desses pontos, o Inmetro decidiu priorizar para análise a luminária fixa para lâmpada fluorescente tubular linear. Decidiu também realizar pesquisa de mercado em algumas das principais cidades do país, para verificar a informação de que a maior parte das luminárias à venda em nosso país é montada pelos lojistas.

Pesquisa de Mercado e Seleção das Marcas Analisadas

Foi realizada uma pesquisa de mercado em 6 (seis) estados (Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul), com vistas a identificar as principais marcas de luminária existentes no mercado e de verificar as informações passadas pela ABILUX.

A pesquisa de mercado confirmou as informações da Associação de que a maior parte das luminárias é montada pelos lojistas, tendo sido encontradas apenas três marcas montadas por fabricantes.

Com base nessa pesquisa, foram selecionadas para análise, luminárias de duas origens, montadas pelos fabricantes e montadas pelos lojistas, como pode ser observado na tabela I.

Por entendermos que a montagem de luminárias por lojistas é uma realidade em nosso país e que o número de lojas que realiza esse serviço é bastante grande, os resultados referentes às lojas serão apresentados como uma média geral, ou seja, como uma realidade deste segmento no mercado de luminárias.

Tabela I

LUMINÁRIAS
Montadas pelo fabricante

Marcas

Origem

A

SP

B

SP

C

SP

Montadas pelo lojista

9 Lojas

2 em MG
2 em RS
2 em SP
2 em ES
1 no RJ

Ensaios Realizados

Foram compradas, de cada marca selecionada, duas luminárias. Essa quantidade atendeu às solicitações do laboratório, sendo uma luminária mantida em sua embalagem original, para o caso do fabricante contestar os resultados e fornecer dados tecnicamente convincentes que determinassem a repetição dos ensaios.

Para facilitar o entendimento, os ensaios realizados foram agrupados nas seguintes classes, apresentadas a seguir: marcação, construção, fiação interna e externa, proteção contra choques elétricos, resistência de isolamento e rigidez dielétrica, ensaio térmico (operação normal) e ensaio térmico (operação anormal).

Marcação

Foram verificadas as informações necessárias para a correta instalação da luminária, tais como tensão de alimentação e adequação da luminária para uso interno. Todas as luminárias analisadas foram reprovadas nesse ensaio. Cabe ressaltar que esse ensaio não oferece riscos diretos aos consumidores. A tabela II resume as não conformidades relativas a esse item, sendo que cada letra representa um tipo de não conformidade, descrita a seguir.

Tabela II

LUMINÁRIAS

Marcas

Não Conformidades

A

a, c, d, e, g, h, i

B

c, d, e, h, i

C

c, d, e, h, i

Lojas / Não Conformidades

9 lojas apresentaram não conformidades do tipo a, c, e, h, i
8 lojas apresentaram não conformidades do tipo d
2 lojas apresentaram não conformidades do tipo b, j
1 loja apresentou não conformidades do tipo f, g

  1. A luminária não apresenta uma das seguintes marcações: marca registrada, identificação do fabricante, nome do distribuidor responsável.
  2. A luminária não apresenta a tensão nominal em volts.
  3. A luminária não apresenta o número do modelo do fabricante ou referência do tipo.
  4. A luminária não apresenta marcação da potência máxima nominal, número e/ou tipo de lâmpadas a serem utilizadas.
  5. Não são utilizados os símbolos correspondentes para adequabilidade para montagem direta sobre superfícies de inflamabilidade normal.
  6. Os terminais não são claramente marcados, podendo afetar a segurança, ou não assegurando uma operação satisfatória.
  7. A freqüência nominal, em hertz, não está marcada.
  8. As temperaturas de operação, como temperatura máxima do enrolamento, temperatura máxima do capacitor, temperatura máxima da isolação dos cabos de alimentação e/ou requisitos de espaçamento da instalação não estão marcadas.
  9. A luminária não possui marcação da temperatura ambiente correspondente, na luminária, reator, ou manual.
  10. As marcações foram facilmente removidas após esfregadas com uma peça de pano embebida em água, o que demonstra a facilidade com que as informações podem ser apagadas, prejudicando a verificação dessas durante a vida útil da luminária.

Construção

Nesse ensaio foi verificado se a luminária tem um projeto adequado, se os seus componentes foram corretamente dimensionados, se os revestimentos da isolação estavam seguramente mantidos em posição e se a montagem não oferece risco ao usuário durante a sua vida útil. As não conformidades relativas a esse item estão relacionadas na tabela III.

Tabela III

LUMINÁRIAS

Marca/loja

Não conformidades

A Conforme

B

c

C

a, c

Lojas / Não conformidades

2 lojas apresentaram não conformidades do tipo a, c, d
1 loja apresentou não conformidades do tipo b, e, f, g

  1. Os guias dos cabos não são lisos, ou possuem rebarbas ou saliências, o que pode danificar a isolação dos cabos, provocando um curto-circuito se esses tocarem em alguma parte metálica da luminária.
  2. O suporte da lâmpada não está posicionado de maneira fácil e correta para a utilização do usuário, provocando dificuldade de troca das lâmpadas, mau contato e danos à luminária.
  3. Os revestimentos e luvas isolantes não são bem projetados, ou seja, não são seguramente mantidos em posição quando outros componentes (chaves, terminais, fios, etc.) tiverem sido montados, podendo provocar contato dos cabos com partes metálicas da luminária, provocando choque elétrico e até curto-circuito.
  4. Os parafusos que fazem a conexão no porta-lâmpada integral não são travados corretamente ou a luminária possui conexões por parafusos auto-atarrachantes sem arruela. Isso pode fazer com que o fio fique solto, podendo aquecer os contatos e provocar choque elétrico.
  5. Os parafusos e conexões mecânicas não suportam as tensões aplicadas, o que pode afetar a estabilidade da luminária, podendo até ocasionar a queda da mesma.
  6. A luminária apresentou deformação dos componentes do sistema de suspensão, após ser submetida a um esforço de tração, de quatro vezes a sua massa, o que pode causar o seu empenamento, no momento da troca de uma lâmpada, por exemplo.
  7. O sistema que prende a luminária ao teto permite que essa gire mais de uma volta, o que pode fazer com que os cabos isolados se soltem ou partam, podendo causar curto-circuito.

Das três marcas de luminária montadas pelo fabricante, uma está conforme nesse item. Das nove marcas de luminária montadas pela loja, quatro estão conformes nesse item.

Fiação Interna e Externa

Esse ensaio verificou se a fiação estava com as dimensões corretas e se estava corretamente posicionada de forma a não ser afetada pelos outros componentes da luminária. A tabela IV resume as não conformidades relativas a esse item.

Tabela IV

LUMINÁRIAS

Marca

Não conformidades

A

b

B

Conforme

C

a, b

Lojas / Não Conformidades

9 lojas apresentaram não conformidade do tipo b

  1. Os condutores internos têm seção transversal menor que 0,4 mm2 e/ou espessura da isolação menor que 0,5 mm, para correntes menores que 2 A. Esses cabos são inadequados para a energia elétrica que passa por eles, podendo ocorrer um superaquecimento nos condutores e uma redução da vida útil do material.
  2. A fiação interna está situada de forma que possa ser danificada por bordas cortantes, rebites, parafusos e similares. Além disso, a fiação pode ser torcida de um ângulo maior que 360º, devido, por exemplo, à fixação não adequada dos reatores à luminária, o que pode provocar a interrupção da passagem de corrente elétrica, ou curto-circuito.

Apenas umamarca de luminária está conforme nesse item.

Proteção contra Choques Elétricos

É verificado se, em condições normais de utilização, a luminária não causa risco de contato do usuário com partes que não têm isolação. Foi utilizado, para isto, um dedo padrão. Todas as marcas foram consideradas conformes nesse ensaio.

Resistência de Isolamento e Rigidez Dielétrica

Nesse ensaio aplica-se uma tensão de 1250 V e é verificado se o isolamento da luminária possui falhas que provoquem condições perigosas para o usuário, tais como contato com parte que conduz corrente ou curto-circuito. A tabela V resume as não conformidades relativas a esse item.

Tabela V

LUMINÁRIAS

Marca

Não conformidades

A

Conforme

B

Conforme

C

Conforme

Lojas / Não Conformidades

3 lojas apresentaram não conformidade do tipo a

  1. A luminária não resistiu à tensão aplicada, apresentando faiscamento e curto-circuito. Essa não conformidade significa que parte da isolação (luvas de proteção) utilizada na luminária não é adequada, ou seja, coloca em risco a segurança do usuário.

Todas as marcas de luminária montadas pelos fabricantes estão conformes nesse item. Das nove marcas de luminária montadas pelas lojas, seis marcas estão conformes.

Ensaio Térmico em Operação Normal

Na operação normal a luminária é instalada e colocada em funcionamento segundo a sua configuração de uso normal, ou seja, como instalada em uma residência. Nessa situação é verificado se a temperatura de alguma parte da luminária eleva-se a ponto de pôr em risco a segurança do usuário. A não conformidade nesse ensaio significa que a luminária, em situação de uso normal, oferece risco de incêndio.

A tabela VI resume as não conformidades relativas a esse item.

Tabela VI

LUMINÁRIAS

Marca

Não conformidades

A

Conforme

B

Conforme

C

Conforme

Lojas / Não Conformidades

2 lojas apresentaram não conformidade

 

As temperaturas, na operação normal, medidas nas diversas partes da luminária, excederam os valores especificados pela norma, o que pode provocar a degeneração das proteções ou risco de combustão em superfícies de contato.

Todas as marcas de luminária montadas pelos fabricantes estão conforme nesse ensaio. Das nove marcas de luminária montadas pelas lojas, sete estão conforme.

Cabe destacar que, sob o ponto de vista da segurança, a não conformidade no Ensaio Térmico em Operação Normal é grave.

Ensaio Térmico em Operação Anormal

Na operação anormal, a luminária é instalada segundo a sua configuração de uso normal e submetida a uma tensão de alimentação 10 % maior que a tensão nominal, ou seja, 10 % maior que a tensão de funcionamento indicada pelo fabricante. Em seguida são provocadas falhas como a retirada de uma lâmpada, a desconecção de um eletrodo da lâmpada, ou um curto-circuito nos contatos do starter. A não conformidade nesse ensaio significa que, sob condições extremas, a luminária oferece risco de incêndio.

A tabela VII resume as não conformidades relativas a esse item.

Tabela VII

LUMINÁRIAS

Marca

Não conformidades

A

Conforme

B

Conforme

C

Não Conforme

Lojas / Não Conformidades

3 lojas apresentaram não conformidade

 

Quando realizado curto-circuito dos contatos do starter, as temperaturas medidas nas diversas partes da luminária excederam os valores definidos pela norma, o que pode provocar a degeneração das proteções ou risco de combustão em superfícies de contato.

Das três marcas de luminária montadas pelos fabricantes, duas, estão conforme nesse ensaio. Das nove marcas de luminária montadas pela loja, seis estão conforme nesse ensaio.

Cabe destacar que, sob o ponto de vista da segurança, a não conformidade no Ensaio Térmico em Operação Normal é mais grave que a não conformidade no Ensaio Térmico em Operação Anormal.

Informações das Marcas Analisadas

Com relação às informações contidas na homepage sobre o resultados dos ensaios, você vai observar que identificamos as marcas dos produtos analisados apenas por um período de 90 dias. Julgamos importante que você saiba os motivos:

  • As informações geradas pelo Programa de Análise de Produtos são pontuais, podendo ficar desatualizadas após pouco tempo. Em vista disso, tanto um produto analisado e julgado adequado para consumo pode tornar-se impróprio, como o inverso, desde que o fabricante tenha tomado medidas imediatas de melhoria da qualidade, como temos freqüentemente observado. Só a certificação dá ao consumidor a confiança de que uma determinada marca de produto está de acordo com os requisitos estabelecidos nas normas e regulamentos técnicos aplicáveis. Os produtos certificados são aqueles comercializados com a marca de certificação do Inmetro, objetos de um acompanhamento regular, através de ensaios, auditorias de fábricas e fiscalização nos postos de venda, o que propicia uma atualização regular das informações geradas.

  • Após a divulgação dos resultados, promovemos reuniões com fabricantes, consumidores, laboratórios de ensaio, ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnica e outras entidades que possam ter interesse em melhorar a qualidade do produto em questão. Nesta reunião, são definidas ações para um melhor atendimento do mercado. O acompanhamento que fazemos pode levar à necessidade de repetição da análise, após um período de, aproximadamente, de 1 ano. Durante o período em que os fabricantes estão se adequando e promovendo ações de melhoria, julgamos mais justo e confiável, tanto em relação aos fabricantes quanto aos consumidores, não identificar as marcas que foram reprovadas.

  • Uma última razão diz respeito ao fato de a Internet ser acessada por todas as partes do mundo e informações desatualizadas sobre os produtos nacionais poderiam acarretar sérias conseqüências sociais e econômicas para o país.

 

Resultado Geral

A tabela VIII descreve os resultados obtidos pelas amostras de cada uma das marcas de luminária analisadas e a conclusão final de cada uma delas.

Tabela VIII

Luminárias

Marcas

Ensaios

Conclusão

Marcação

Construção

Fiação Interna e Externa

Proteção contra Choques Elétricos

Resistência de Isolamento e Rigidez Dielétrica

Ensaio Térmico (Operação Normal)

Ensaio Térmico (Operação Anormal)

Tarô

Não Conforme

Conforme

Não Conforme

Conforme

Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

Luminox

Não Conforme

Não Conforme

Conforme

Conforme

Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

MCL

Não Conforme

Não Conforme

Não Conforme

Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

Não Conforme

Montadas pela Loja

Marcação - 9 lojas apresentaram não conformidade
Fiação Interna e Externa - 9 lojas apresentaram não conformidade
Construção - 5 lojas apresentaram não conformidade
Resistência de Isolamento e Rigidez Dielétrica - 3 lojas apresentaram não conformidade
Ensaio Térmico (Operação Anormal) - 3 lojas apresentaram não conformidade
Ensaio Térmico (Operação Normal) - 2 lojas apresentaram não conformidade
Proteção contra Choques Elétricostodas as lojas estão conformes

As 9 lojas apresentaram não conformidades

Conclusões

O resultado geral desta segunda análise em luminárias para lâmpadas fluorescentes ainda apresenta não conformidades, porém demonstra melhorias na qualidade dos produtos, principalmente daqueles montados por fabricantes. Deve ser ressaltada a ação de harmonização da Norma Brasileira às normas internacionais, impulsionando as melhorias no setor.

Das três marcas de luminária montadas por fabricantes, duas delas apresentaram melhor desempenho.

Das nove marcas de luminária montadas por lojistas, três apresentaram não conformidades no ensaio de Resistência de Isolamento e Rigidez Dielétrica, três no Ensaio Térmico de Operação Anormal e duas no Ensaio Térmico de Operação Normal, sendo esse último considerado extremamente grave, pois representa risco de incêndio para o usuário.

Os resultados confirmam a informação da Associação Brasileira das Indústrias de Iluminação – ABILUX, de que o desempenho das marcas montadas pelos fabricantes é superior ao das marcas montadas por lojistas. Pode-se concluir que os lojistas desconhecem os requisitos normativos, ou seja, não possuem conhecimento técnico suficiente sobre a montagem de luminárias. Esse fato é preocupante, pois grande parte das luminárias à venda no mercado são montadas por lojistas, o que põe em risco a segurança dos usuários.

Para conseguirmos as melhorias esperadas nos produtos analisados, o Inmetro agendará reunião com Associação de Fabricantes e de Lojistas, representantes dos consumidores, entidades voltadas ao treinamento e educação de trabalhadores e micro empresários, com o objetivo, principalmente, de melhorar a qualidade das luminárias montadas pelas lojas, já que essas representam uma parcela significativa do mercado.

Conseqüências

Data

Ação

29/04/2001 Divulgação no Programa Fantástico - Rede Globo de Televisão


Veja Também:

Luminárias de Teto e de Parede


Nossos Endereços

  • Prédio da Rua Santa Alexandrina

    PABX: (21) 2563-2800

    Rua Santa Alexandrina, 416

    Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ

    CEP: 20261-232

  • Campus Xerém

    PABX: (21) 2679-9001

    Av. Nossa Senhora das Graças, 50

    Xerém - Duque de Caxias - RJ

    CEP: 25250-020

  • Prédio da Rua Estrela

    PABX: (21) 3216-1000

    Rua Estrela, 67

    Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ

    CEP: 20251-900

  • Superintendência de Goiás - Surgo

    PABX: (62) 3237-3500

    Av. Berlim, 627

    Setor Sul - Goiânia - GO

    CEP: 74170-110

  • Brasília

    PABX: (61) 3340-1710

    EQN 102/103 - Lote 1, Asa Norte

    Brasília - DF

    CEP: 70722-400

  • Superintendência do R. G. do Sul - Surrs

    PABX: (51) 3342-1155

    Rua 148, s/nº

    São Geraldo - Porto Alegre - RS

    CEP: 90240-581

Inmetro © 1993 - 2012. Todos os direitos reservados.